Um mundo de inovações para transformar Brasília: saiba como foi o Festival Setor Criativo Sul

DOIS DIAS QUE VÃO ENTRAR PARA A HISTÓRIA CULTURAL E AFETIVA DA CIDADE

                            Apoie o jornalismo interdependente aqui!

Revitalizar o coração do coração do país – o sopro de vida que refrescou Brasília este final de semana teve até chuvinha fora de época. Bem verdade que foram três gotas, mas em uma cidade acostumada à seca, e em um momento que parece permeado pela aridez de ideias, discursos e práticas, o Festival foi mesmo um evento de vitalidade. A intenção era esta mesma: ressignificar o centro da cidade e mostrar que com imaginação podemos desenhar uma nova realidade.

O Festival recebeu debates, painéis e palestras, oficinas, muitos sorrisos, música, yoga no telhado, experiências diversas. E o Gira Curta, um festival de cinema especial sobre a cidade, só de filmes feitos por, para e sobre brasilienses. A gente conversou ao invés de polarizar, olhou junto ao invés de ficar na bolha. Não teve quem ficou indiferente: até passantes se juntaram aos eventos: no SESC, onde o palco foi montado do lado de fora, na feirinha agroecológica,  nas intervenções na rua como o lambe-lambe que ficou de lembrança na passagem do setor, nos encontros espontâneos deste evento que pretendia isso mesmo, ser uma ocasião #PraSeEncontrar.

O Setor Criativo Sul nasce sob as bençãos de uma legião de voluntários que fez toda a diferença. Foram eles que tornaram possível fazer o festival acontecer. Mais importante, a motivação e frescor de uma turma de jovens animadíssimos fez toda a diferença na hora de resolver os probleminhas, aqueles momentos dramáticos que na hora parecem incontornáveis e de noite já renderam boas histórias regadas a gargalhadas. Só para lembrar que a vida é assim, cheia de obstáculos que se transformam em impulsos de motivação, repleta de gente nova e vibrante, lotada de novidades incríveis.

É tanta anotação, foto, gravação, descoberta, que não cabe tudo num texto só. Então serão vários registros, entre vídeos, fotos o textos, nos próximos dias. Escolher um não é possível e nem seria justo, pois o que desperta uma alma já é normal para outra, que já encontrou aquilo; ou ainda não está buscando. Quem esteve presente teve a oportunidade de escutar tudo o que o universo de iniciativas que compôs o festival contou, Quem não foi, só tem um jeito: esperar pelo próximo.

luciana

Luciana Sendyk escreve. Livros (autorais ou de terceiros), textos, anúncios, sites, blogs, peças de teatro, projetos diversos e, especialmente, aqui no PorQueNão?.Sanitarista de formação, ecossocialista por opção e vegana por ideologia, feminista e engajada, o que não falta é tema para redação. Acredita que escrever é um ato político e que atuar pode transformar o mundo.

 

 

**

Lembrando que a missão do PorQueNão? é divulgar conteúdos riquíssimos como esse. A gente acredita que a transformação vem através de bons exemplos, e para continuar trabalhando com um time incrível mais os equipamentos e deslocamentos necessários, contamos com você. Conheça a nossa campanha de financiamento (https://apoia.se/porquenao)

Comente aqui!

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *